Liberdade

Liberdade

Dia 19

Há alguns anos venho lendo sobre o movimento Libertário. Um movimento que prega o respeito à Liberdade. O conceito é relativamente bem simples e eu até consigo resumir em apenas dois princípios básicos:

  1. Todos os seres racionais tem direito a propriedade
  2. Respeito ao princípio da não agressão (PNA), ou, respeito a propriedade

Você pode fazer absolutamente o que quiser se respeitar esses dois princípios. Muitas pessoas desconfiam prontamente quando escutam esse fazer o que quiser. Em geral, a primeira reação é: Isso não funciona!

A primeira propriedade que temos direito é o nosso corpo. Todas as pessoas são donas do seu próprio corpo. É impossível alguém fazer algo por vontade de outro. Elas podem ser convencidas a fazer algo, mas ainda assim, a ação parte delas próprias e por isso, de acordo com a segunda lei, uma agressão a alguém é uma violação de propriedade e passível de punição.

Agredir, de acordo com o PNA, é definido como a ação ou ameaça de força para interferir na propriedade de uma ou mais pessoas [1].

Segundo Murray Rothbard em A Ética da Liberdade:

Toda pessoa é a proprietária de seu próprio corpo físico assim como todos os recursos naturais que ela coloca em uso através de seu corpo antes que qualquer um o faça; esta propriedade implica no seu direito de empregar estes recursos como lhe convém até o ponto que isto afete a integridade física da propriedade de outro ou delimite o controle da propriedade de outro sem seu consentimento.

E sim, uma punição que agride a propriedade de alguém também vai de encontro a esse princípio e deveria ser evitada.

Ai você me pergunta: Mas como punir alguém sem agressão? É possível, mas precisaria de um texto inteiro só para descrever sobre isso. Por isso vou continuar falando sobre a liberdade pregada pelo libertarianismo...

Por ser uma linha de pensamento que não estamos acostumados (há poucos anos eu também acharia isso surreal), seria impossível eu tentar rebater de antemão todos os possíveis casos que pessoas costumam criar para tentar entender, ou apenas rebater, as afirmações "não ortodoxas" que faço aqui.

Entender o conceito de propriedade ajuda bastante a entender do que se trata o libertarianismo.

Para algo poder ser designado como propriedade existe a necessidade de que a posse desse algo por um indivíduo só seja possível com a perda da posse por outro. Propriedade é algo escasso.

Veja a diferença:

  • Duas pessoas querem sentar na mesma cadeira.
  • Duas pessoas querem ouvir a mesma música.

O ato de ouvir uma música por alguém não impede que milhares de pessoas também o façam. E justamente por isso, sons não são propriedade. Por consequência músicas não são propriedade. É isso mesmo! Direito autoral e patentes não fazem nenhum sentido para um libertário.

O CD em que está a música é propriedade. O papel que está impresso um livro é propriedade. Mas perceba que o fato de copiar qualquer um desses itens não retira nem diminui a propriedade do dono.

Duas ou mais pessoas podem ter o conhecimento da mesma ideia. Uma ideia quando é contada para alguém não desaparece da cabeça de quem contou.

Há conflitos? Claro. Mas certamente, uma sociedade livre teria muito menos conflitos. Conflito é caro. Todo conflito costuma gerar, no mínimo, um incomodo para as duas partes. Já pensou que as guerras são sempre entre governos? Você não vê empresas privadas envolvidas em guerras, a menos que seja para fornecer material para os países guerreando.

Para governos é fácil estar em guerra, o financiamento para suas as guerras são feitas com o dinheiro dos impostos que são compulsoriamente colocado em cima seus cidadãos. Imposto é roubo!

E quanto mais o tempo passa, mais vemos o Estado tomando mais responsabilidade sobre a propriedade e o direito dos indivíduos com justificativa de será mais comodo para todos. Outra vezes por acreditar que os que estão no poder sabem o que é melhor para todos. E a justificativa mais usada é a de nos dar mais segurança. Mas já dizia Benjamin Franklin:

Aqueles que abrem mão da Liberdade Essencial por um pouco de segurança, não merece nem liberdade, nem segurança.

Não só não merece, como perderá os dois.

[1]https://en.wikipedia.org/wiki/Non-aggression_principle


Written by Eduardo Elias in 100posts on Monday, 28 de August de 2017 às 20:45. Tags: escolhas, liberdade, 100posts,

Comments

comments powered by Disqus