A frieza estrangeira

Frieza

Dia 25

De todos os lugares que já visitei e de todos as nacionalidades que tive contato, nenhum é tão caloroso quanto o Brasileiro. O jeito do Brasileiro é difícil de não perceber no quesito receptividade, na maneira como tratam as pessoas que acabaram de conhecer.

Talvez não seja algo exclusivo. Outros povos podem até ter o calor igual, mas acho difícil algum ter mais receptividade que a encontrada nos Brasileiros.

Por ser tão caloroso, todos os outros acabam parecendo frios. Quem passa pouco tempo (dias) em um país, não só estranha, como confunde a frieza do estrangeiro com má educação. Quando se convive percebemos que é apenas um jeito diferente de relacionar. Em todos os lugares que já visitei na europa, eu sempre fui bem tratado. As pessoas eram não só educadas, como também solicitas, mas sempre do jeito delas. A pessoa parece estar na dela, mas se você puxa conversa, ela abre um sorriso e começa a conversar. De alguma forma, no Brasil, estamos acostumados a precisar de uma abertura pra nos aproximar. Se alguém está com a cara fechada, geralmente não é bom sinal. Fora do Brasil, para quem é Brasileiro, todo mundo parece de cara fechada o tempo todo.

Me lembro uma vez quando vi Suíços comentarem que os Australianos era um povo muito festivo e receptivo. Eu pensei comigo mesmo: Fico imaginando o que iriam pensar quando conhecessem os Brasileiros

Esse jeito mais frio, que encanta alguns estrangeiros e assusta outros é muito conhecida por aqueles que já tiveram contato com a gente. Um exemplo clássico é o cumprimento. Os europeus se cumprimentam dando 1, 2 beijos no rosto (3 pra casar se você for de Minas Gerais), mas só acontece com familiares ou amigos muito íntimos. O resto só mesmo cumprimento de mão. Não importante se é homem cumprimentando mulher, ou mulher cumprimentando mulher, sempre tem a mão estendida para cumprimentar e só. Por isso, quando no impulso, alguém vai pra dar os beijos no rosto, acaba muitas vezes assustando a pessoa e pode, dependendo do caso, passar a impressão de interesse.

Algo que seria bastante estranho para qualquer Brasileiro é você pegar um ônibus com seus amigos e cada um sentar em um banco. Geralmente se você está com alguém você senta do lado para continuar conversando. Eu já vi várias vezes as pessoas entrarem juntas, cada uma senta em uma fila e mesmo que elas conversem, elas preferem ficar longe.

É estranho, mas é apenas um jeito diferente de ser.

E tem outro lado.

Não seria esse jeito festivo e inclusivo do Brasileiro que o torna intrusivo na vida alheia?

Não seria essa "frieza" do europeu que faz com que ele tenda a respeitar mais as individualidades e que faz com que as pessoas que sejam fora do padrão não se sintam julgadas e pressionadas a serem igual à maioria?

Até amanhã.



Written by Eduardo Elias in 100posts on Sunday, 03 de September de 2017 às 18:06. Tags: 100posts,

Comments

comments powered by Disqus