Trabalhar fora do Brasil

Trabalhar fora

Dia 11

Qualquer pessoa que vai trabalhar fora do Brasil (Europa, Estados Unidos, Canadá, Austrália), sente uma grande diferença em relação a quase tudo.

CLT

Não existe CLT. Simples assim. Você tem um contrato de trabalho e pronto. Não tem 13º. Não tem um terço de férias. Não tem FGTS. Não tem vale-alimentação. Não tem vale-refeição. Não tem vale transporte. Você recebe seu salário no final do mês e só.

Ingênuo os que pensam que no Brasil todos esses "direitos" saem do bolso do empregador. Quando ele te contrata, se ele ia te pagar X, ele desconta todos os "direitos", e então te oferece metade de X. Ou seja, ao invés do empregado ter X no bolso pra fazer o que quiser, uma parte fica bloqueada no FGTS (rendendo quase nada), outra parte você só recebe quando for tirar férias, outra parte você recebe em forma de vales que só servem para serem gastos em certos estabelecimentos ou transporte. O belo 13º é apenas X/12 do seu salário, de cada mês, sendo pago no final do ano.
Férias

No geral, se tem 20 dias de férias. Ruim? Nem de longe. São 20 dias úteis de férias. E podem ser tiradas do jeito que quiser. Quer tirar um dia de férias? Pode. Quer tirar meio dia de férias? Também pode. Ou seja, se tirar 10 dias de férias, você acaba ficando 16 dias: 10 dias + 3 finais de semana. Se tiver um feriado no meio, mais um dia. Se ficar doente durante as férias, os dias que ficou doente (desde que comprovados) não contam como férias.

Outra diferença é que você tem que tirar as férias até o fim do ano. Não tem essa de poder esperar 2 anos (1 ano e 11 meses) acumulando férias e nem essa de vender férias. Você tem férias nos seu contrato, você as tira.

Ninguém reclama se você vai sair de férias. Ninguém te questiona ou fica tentando te convencer a mudar suas férias.

Ambiente

O jeito de pensar é bem diferente. Na verdade as pessoas questionam bem pouco em relação a quase tudo. Existe um foco maior no que você entrega como resultado. Ou seja, se você está fazendo seu trabalho, ninguém liga muito pra que horas você trabalha. Se fizer o que é esperado de você, ok.

Sabe aquele medo de sair de férias e ter medo de notarem que as coisas funcionam sem você? Eu não vejo isso fora. Se o que você faz só anda quando você está presente, e você não pode se ausentar por causa disso, algo está muito errado.

No Brasil a gente sente uma vigilância constante pra saber se você está trabalhando. Fora do Brasil só preocupam se você está produzindo e entregando os resultados que você se comprometeu. Se você é transparente e honesto, eles são bem compreensivos.

O ritmo também é bem diferente. Quase ninguém trabalha depois do horário. Eles sabem que todo mundo tem vida além do trabalho. Na verdade, se você está passando muito além do horário é um mau sinal: Ou você está com trabalho demais ou não está dando conta do trabalho que é responsável por fazer.

Isso de ter vida além do trabalho vale inclusive para quem trabalha em loja. Enquanto no Brasil as lojas (em Shoppings) fecham as 22h e os que trabalham lá tem que seguir esse horário, fora do Brasil tudo fecha bem cedo. Por volta de 17-18h está tudo fechando. Existem alguns dias que eles exploram mais o trabalhador e fecham as 19h, mas só alguns dias, porque ninguém é escravo, né?

Apesar dos pesares, eu tive sorte nos meus empregos no Brasil. Todos tinham ambientes muito bons. Já ouvi muitas histórias piores e sei que você que está lendo já viveu ou conhece histórias da falta de completo bom senso dos empregadores/gerentes no geral.

Se eu tivesse que dar um conselho sobre como se comportar em um ambiente tão diferente seria: Bom senso.

E você? Sofre muito pra tirar férias? Tem que fazer muita hora extra? Está naqueles empregos que quem não faz hora extra é mal visto? O que acharia de poder picar suas férias em dias úteis?

Até amanhã.



Written by Eduardo Elias in 100posts on Sunday, 20 de August de 2017 às 12:38. Tags: 100posts,

Comments

comments powered by Disqus