Mudanças

Ô negócio complicado a tal da mudança. Quanto mais profunda, mais complicada. É tão complicado que, as vezes, só podemos conviver com aquilo que queremos mudar. Está tão solidificado que é impossível mudar. Como uma doença sem cura que podemos apenas tratar os sintomas. Mesmo assim, há coisas que podemos mudar.

Mudar, pensar diferente, agir diferente. Mudanças não são fáceis e mas são necessárias. Para tornar as coisas mais fáceis (ou seria menos difíceis?), a mudança real, significa sofrer. Não é irônico que precisamos sofrer para que possamos, com a mudança, evitar (mais) sofrimento?

É preciso. Não tem jeito. É como uma criança que não quer tomar um remédio porque tem gosto ruim. "É ruim. Eu sei. Mas é ou toma, ou você não vai ficar bom.", diria a mãe.

Eu sei que preciso mudar. Mas o que devo mudar? Quanto? Como se não bastasse a dificuldade de fazer com que ela aconteça, ainda tem a dificuldade de descobrir qual a mudança necessária e a até que ponto é suficiente. Achar o equilíbrio é muito complicado.

Eu me iludo. Me engano. Digo, a mim mesmo, que não preciso mudar. E claro, torno a coisa mais complicada. Inconscientemente, vou dizendo que: "Tudo bem. Não preciso mudar isso." Quantas vezes mais vou ter que aprender que não atravesso a parede até descobrir que tenho que abrir a porta antes de tentar passar?

Primeiro passo. Querer. E eu quero.



Written by Eduardo Elias in Pensando on Saturday, 25 de December de 2010 às 19:31. Tags: Mudancas,

Comments

comments powered by Disqus